28 de agosto de 2015

Tour Museus em São Paulo, SP: Pinacoteca, Museu da Língua Portuguesa e MASP

São Paulo é recheada de museus! A cidade oferece opções para todos os gostos e bolsos, principalmente àquelas voltadas ao universo artístico e cultural. Eu sou apaixonada por museus e histórias, então fiz questão de visitar os principais pontos de arte da cidade pelo pouco tempo que estive lá. Conto pra vocês tudo que vi e o encantamento que tive por lá.
Pinacoteca
Exposição A viagem das Carrancas [sem fotos minhas]
Ao ver essa exposição lembrei-me imediatamente da viagem que fiz a Barra, Bahia em 2007 pra conhecer o bispo católico Luís Flávio Cappio que, na época, estava na sua 2ª greve de fome em protesto pela [falida] transposição do rio São Francisco.
A exposição mostra várias carrancas, o símbolo do Velho Chico, responsáveis, segundo a crença, por espantar os maus espíritos sobre a navegação nas suas águas. Há peças esculpidas em madeira que retratam desde a indefinição à completa representação de animal mesclado à figura humana. Também há fotos feitas pelos grandes ícones Pierre Verger e Marcel Gautherot, quando em viagem pelo interior da minha Bahia. São impressionantes e um pouco assustadoras.
Olha a arte: consegui fazer uma selfie meu e dela!
Exposição Mulheres Artistas: as pioneiras (1880-1930) [sem fotos minhas]
A exposição temporária retrata a inserção das mulheres no sistema artístico brasileiro, ação que vai totalmente contra as restrições do século XIX-XX, onde as mulheres deveriam assumir as responsabilidades do lar, dos filhos e do marido. Segundo a curadoria, as obras são de cunho amador, mas trazem em si a alma das mulheres pintoras que contrariam esse rótulo: as técnicas usadas são extremamente avançadas. Nelas estão retratadas cenas do cotidiano e os corpos nus ou vestidos, mesclando nas obras os gêneros de natureza morta e retratos. Infelizmente não pude fotografar, mas valeu a visita.
Fachada do prédio da Pinacoteca. É lindo!
Exposição A arte no Brasil: uma história na Pinacoteca de São Paulo
Esta mostra está em grandes proporções: são 500 obras espalhadas por 11 salas no prédio da Pinacoteca. Ela retrata a construção da arte no Brasil, desde a formação da visualidade até a estruturação de cursos de pintura de obras de artes, venda e a formação de museus e exposições para difusão da arte no país. Há vários tipos de obras [pintura, escultura, desenho, gravura, fotografia] de vários artistas como Debret, Taunay e Cândido Portinari. É uma aula de arte para leigos [como eu]!
Algumas obras dessa exposição: [esq.] Torso de Menina (1895), de Eliseu Visconti; [centro] Cabeça de Italiana (1907), de Georgina de Albuquerque; [dir.] Canção Sentimental (1904), de Berthe Worms.
Algumas obras dessa exposição: [ind. esq.] Mulheres de Argel em seu Aposento (1798-1863), de Anita Malfati, gerada a partir da cópia de uma obra de Eugéne Delacroix; [sup. esq.] Aspargos (1900), de Pedro Alexandrino; [esq.] Paisagem (1900), de Pedro Weingärtner.
Exposição Antoni Abad - Magafone.net/2004-2014 [sem fotos minhas]
Essa é muito interessante: Antoni Abadi, um historiador espanhol nascido em Lleída, resolve reunir histórias de grupos marginalizados em todo o mundo e as mostra a partir de textos, vídeos e fotos gerados através de telefones celulares. O projeto que durou 10 anos, tem a colaboração de pessoas do Brasil [os motoboys], México [os taxistas], Colômbia, Estados Unidos [os cadeirantes], Espanha [os ciganos] e de outros países. Abadi, de modo diferente [talvez inovador também], usa os registros como um megafone a fim de difundir a cultura desses grupos tão desprezados pela sociedade e, ajudando também a desmitificar os preconceitos e esteriótipos gerados sobre esses grupos. O intercâmbio cultural é imenso!
“O megafone.net é um verdadeiro observatório de experiências e posicionamentos que apresenta novas possibilidades de uso aos celulares e foi pioneiro na construção de redes sociais virtuais. Foi realizado no Brasil e ganhou grande repercussão na mídia. Permanece ativo até hoje, ainda questionando as realidades culturais e os diferentes contextos econômicos e políticos”, disse Abad. [Extraído do site da Pinacoteca]
Obras expostas nos corredores da Pinacoteca. Olha essa fonte colorida; uma perfeição!
Um dos espaços da Pinacoteca.
Gente, o prédio é muito lindo e imponente! A coleção de obras é incrível! Amei tudo! Mas aí você percebe que está faltando algumas fotos, não é? Então, fiz vários vídeos mas perdi todos [arrasada]. Mas o que ficou você vê por aqui.
Museu da Língua Portuguesa
A nossa língua é fantástica e o Museu da LP também! Nunca poderia imaginar um museu totalmente tecnológico para contar a história do português. Não há livros, mas telas de LED; não se folheia, é touch; não apenas se lê, mas se ouve... muita história, muitos sotaques, muitos falares.
Fachada da Estação da Luz onde fica também o Museu da Língua Portuguesa.
No museu há vários totens digitais que mostram os idiomas que influenciaram a formação da língua [espanhol, francês, inglês, tupi...], um mapa linguístico digital para ouvir os falares do Brasil [sotaques e vocabulários distintos], uma linha do tempo com a evolução da língua desde seu nascimento até os dias de hoje, um imenso, mas imenso painel que mostra a história das pessoas e sua relação com o português do Brasil e, por fim, uma salinha com um jogo chamado "Beco das Palavras" para formar palavras: a cada palavra formada você ouve a história dela.
Museu da Língua Portuguesa.
Todos os dias há uma apresentação no auditório [à tarde é às 15:30] que é um misto de emoções: um vídeo com a história da língua portuguesa, lindamente narrado por Fernanda Montenegro e depois a surpresa: a tela do auditório é suspensa e passamos para trás do palco. Lá estão umas arquibancadas e somos convidados a sentar na completa penumbra para apreciar, com todos os sentidos, poemas e fragmentos de textos de escritores brasileiros recitados e cantados por famosos também brasileiros: Maria Betânia, Mateus Nachtergaele, Paulo José e tantas outras vozes que ressoam o bom português. É o chamado "Planetário das Palavras". É muito lindo! Não se pode filmar nem fotografar enquanto a apresentação acontece, mas ao final dela podemos fotografar o belo chão iluminado com os fragmentos do que ouvimos. É mágico!
Projeções no chão do auditório do Museu da LP. Esses são os textos recitados durante a apresentação. 
Museu de Arte de São Paulo - MASP
Fui ao MASP em uma terça-feira [aproveitando que também é gratuito neste dia] e conferi três perfeitas exposições. Confesso que era meu sonho visitar esse museu!
Exposição Arte da França: de Delacroix à Cézanne
A exposição traz obras originais de pintores franceses mais memoráveis da história, àqueles que só vemos ilustrando as páginas do livro de Literatura e História!
Ficarei devendo o nome das obras. Sei que a da esquerda é de Van Gogh.
Sala da exposição Arte da França.
Pude ver de perto obras de Renoir, Toulouse-Lautrec, Modigliani e Manet, e também de artistas não franceses como Van Gogh, Gauguin e Picasso todos em só lugar! Os gêneros são variados: cenas do cotidiano, cenas históricas, natureza morta, paisagens e retratos. O vídeo abaixo mostra a entrevista com o curador assistente Fernando Oliveira que explica tudo com detalhes.
Exposição História da Loucura: desenhos do Juquery
Localizada no subsolo do MASP, a exposição reúne mais de 100 desenhos feitos pelos pacientes do Hospital Psiquiátrico do Juquery, localizado na cidade de Franco da Rocha em São Paulo. O título dela foi inspirado no livro "A história da loucura" do francês Michel Foucault.
Sala da exposição História da Loucura.
A ideia de incentivar os pacientes a pintar veio do médico psiquiatra Dr. Osório César, que atuou por mais de quatro décadas na unidade hospitalar. Foi casado com a grandiosa pintora brasileira Tarsila do Amaral que o influenciou e o ajudou muito no seu projeto. Depois de duas exposições no museu, o médico decidiu doá-las à instituição e hoje fazem parte do arquivo permanente do MASP.
Obras dos pacientes. A grande maioria delas não tem título.
As obras são extremamente interessantes e a maioria delas retrata o cotidiano dos pacientes: há cenas de sexo explícito, sonhos e devaneios, imagens religiosas... um misto de imaginação, loucura e realidade.

Exposição Arte da Itália: de Rafael a Ticiano.
Mergulhar no universo artístico italiano foi um presente cultural para mim que estou aprendendo o idioma do "Bell Paese" [assim como eles mesmo chamam]. A exposição conta com obras de Rafael, Mantegna, Bellini, Ticiano, Tintoretto e outros.
Sala da exposição Arte da Itália.
Obras da exposição Arte da Itália.
[esq.] obra A virgem com o menino de pé; [centro] autor Maestro de San Martino alla Palma; autor Maestro del 1416.
Mesmo sendo as obras do mesmo país, Itália, percebe-se a diferença de estilos, traços, formas e cores de cada artista. É reviver o passado e a formação de um país que ainda é muito novo como nação: apenas 150 anos! E aí vai mais um vídeo em que o curador assistente Tomás Toledo traz um panorama geral:
Alguns detalhes importantes:
  • Valores das entradas: a Pinacoteca é gratuita, o MASP é R$ 25 a inteira e R$ 12 a meia entrada e o Museu da LP é R$ 6 a inteira e R$ 3 a meia. Creio que em ambos as entradas podem ser pagas no cartão de crédito ou débito.Vale a pena, né?
  • Chegar a todos eles de metrô é muito fácil e rápido: para a Pinacoteca e o Museu da LP [um é em frente ao outro], chegue até a Estação da Luz e para o MASP a estação Trianon-MASP [só não lembro as linhas, mas isso é muito fácil de descobrir no metrô mesmo].
  • Pra saber mais sobre a Pincoteca, baixe o app "Pinacoteca de São Paulo" na Play Store [acho que também tem para Windows Phone e Apple] com todo o acervo do museu. Dá pra visitar sem sair de casa!
  • Há sites oficiais dos três museus com mais informações. Antes de ir é bom acessar para saber o que há de novo.
Se for à São Paulo, não deixe de visitar esses museus ícone que trazem pedaços significativos da história humana. Recordar é saber quem você é!