7 de janeiro de 2015

A Maravilhosa Paraty, RJ

A série Rever Rio terminou com 3 episódios [veja em Rever Rio 1Rever Rio 2Rever Rio 3], mas ainda falta Paraty, não é? A dívida é de 2014, mas vale sim pagar agora, pois assim você planeja suas próximas férias!
Meu primeiro dia em Paraty. Não estranhe a calça jeans e o sobretudo. A semana que cheguei ao Rio fazia aquele friozinho e Paraty, por ser dentro da serra, tem uma brisa gostosa... Ah, e aí ao fundo a Igreja Nossa Senhora das Dores - Capelinha, pertinho da casa da Nanda Costa, atriz global. 
O lugar é mais gostoso do que as fotos podem mostrar! Minha identificação ao chegar foi instantânea, mas isso se deu a um motivo: faz muito tempo que queria conhecer Paraty, por que quando assisti ao DVD Multishow ao Vivo de Vanessa da Mata gravado lá, adorei o lugar e, na pesquisa, descobri que era Paraty. Desde aí [isso deve ter uns 5 anos], coloquei na cabeça que tinha que visitar a cidade. Finalmente chegou a minha vez!
Entrada principal do Centro Histórico após a ponte: Rua do Comércio.
Logo depois de deixar as malas na pousada, dei um pulo no Centro Histórico, que é bem servido de lojas, restaurantes, bares, sorveterias, para todos os gostos e bolsos. Não senti falta de nada!
Paraty estava bem badalado. Nessa rua, a Rua da Matriz, ficam barzinho bem bacanas. Acredito que na maior parte do tempo seja assim. É uma delícia! 
A cidade é muito organizada e tudo está voltado para um bom atendimento ao turista. Paraty está dividida em bairros [como a maioria, ou todas as cidades brasileiras], e a mais parte turística, que é o Centro Histórico, é tranquilamente acessada a pé dos bairros mais próximos à zona.
Rua do Comércio no Centro Histórico. Há lojas de todos os tipos e também vendedores de artesanato na rua. Detalhe: olha só as pedras do chão da rua! Muito cuidado ao andar por elas para evitar quedas.
A parte histórica é muito bem cuidada e conserva os traços do Brasil Colônia. O comércio foi implantado nas casas com a fachada conservada [acredito que já está tombado pelo IPHAN], dando a sensação de que caminhamos em uma vila de séculos passados. As ruas são revestidas com grandes pedras, o que dificulta muito o caminhar, mas nada que com atenção não se faça bem. Um aviso: caminhe com sapatos confortáveis como tênis ou sapatilhas. Saltos? Nem pensar!
Espalhadas pelas ruas da cidade ficam essas barraquinhas, melhor, carrinhos ambulantes, cheias de gordices: doces, cocadas, bolos... Confesso que não comi, pois não sou fã de doces, mas via muita gente comprando. Acho que eram boas!
No entorno ao Centro Histórico, a estrutura moderna de uma cidade interiorana que tem tudo. A rede hoteleira também é muito farta e também atende a todos os gostos e bolsos.
Para passear e diverti-se em Paraty, há a opção mar ou a opção montanha/mata com passeios por todos os lados; dá pra fazer mergulho, visitas aos alambiques [ah, é em Paraty que acontece o Festival da Cachaça], caminhadas, trilhas, passeio de escuna... a variedade é grande! Se quiser também, pode visitar a cidade no mês da Feira Literária Internacional de Paraty, a FLIP.
Praça em frente ao Cais de Paraty, onde fica a Igreja de Santa Rita. Há lembranças da colonização por toda parte, como esse canhão.
E o que chamou minha atenção em Paraty foi preço dos produtos: em relação a lugares históricos e turísticos como o Pelourinho em Salvador ou Ouro Preto em Minas Gerais, Paraty tem um preço justo pelo que oferece. Hospedei-me, comprei lembrancinhas e comi a preços incríveis de tão baratos para um lugar altamente turístico!
Praia urbana no bairro Jabaquara em Paraty.
Rio que corta Paraty e do lado direito a Avenida Beira Rio e a ciclovia.
Algumas dicas:
> Paraty fica a 243 km do Rio de Janeiro, então se não for de carro pela Rodovia Rio-Santos [BR-101], dá pra ir de ônibus. O bilhete custou R$ 58,46 [sem taxa de embarque] na empresa Costa Verde. A viagem dura, em média, 4 h e o caminho até lá é lindo. Valem as fotos até pela janela do ônibus!
   
>> Fiquei hospedada na Pousada Casa do Mar no bairro Caborê. Fica a uns 15 minutos do Centro Histórico a pé. Além do serviço muito bem prestado, preço justo, quarto bem organizado e café da manhã maravilhoso, amei o Zé e a Silene, os donos da pousada. Eles são fofos e altamente prestativos. Além disso, se tornaram já meus amigos!

>>> Onde comi? Parece brincadeira, mas todos os dias fui para a Galeria do Engenho na Rua da Lapa, 18, no Centro Histórico. A comida é ótima e bem barata! Imagina pagar R$ 50,00 para um jantar para dois e comer bem? Penso que isso não exista em lugar nenhum que seja turístico. Vale muito, mas muito a pena! Quer saber mais? Dá uma ligadinha, se puder: (24) 3371-2335.
Contemplando as belezas do porto de Paraty.
Coloque Paraty nos seus planos de viagem. Vale a pena. Ah, antes, assiste o DVD de Vanessa da Mata pra ir com o coração preparado!