20 de setembro de 2014

O Rio de Janeiro continua lindo... [Parte 4]

Depois do 3º post da série com Lapa, Escadaria Selarón e Santa Teresa, mostro a vocês mais um pedacinho do Rio. Minha visita neste dia começou no Jardim Botânico. Ah... que lugar de Paz!
Exposição de orquídeas no Jardim Botânico.
Não estranhe esse sobretudo em um dia de sol! Fui lá muito cedo e pra baiano, estava um ventinho fresco...
O lugar é extremamente tranquilo, com uma enorme variedade de plantas e animais. É ideal para quem busca, dentro da cidade agitada, um cantinho para ler, pensar, namorar, fotografar, passear com a família...
Caminho de Palmeiras Imperiais e, ao fundo, Portal da Academia de Belas Artes.
Chafariz das Musas.
Vitória-régia no Chafariz das Musas.
O parque ainda dispõe de um bromeliário e um orquidário, ambos com exposição permanente, vários monumentos históricos, além do Museu do Meio Ambiente e o Espaço Tom Jobim. Esses últimos não cheguei a visitar, mas fico devendo a volta lá. 
Bromélias do acervo permanente do Bromeliário.
Minha auto foto. É isso que dá quando você vai sozinha...
Bom, depois desse banho de paz, fui conhecer o famoso Cristo Redentor. É impossível ir no Rio e não ir lá. Como diz a letra da música "Te ver" de Skank: "É como não sentir calor em Cuiabá ou como no Arpoador não ver o mar...".
Cristo Redentor desde o Jardim Botânico.

O Cristo Redentor é a mais famosa escultura no estilo Art Déco do mundo e foi feito com muito esmero: começou a ser planejada em 1921 pelo engenheiro Heitor da Silva Costa e seus desenhos foram levados para a França pelo escultor polonês Paul Landowski, o qual esculpiu toda a estátua e mandou de volta. Ufa! Deu trabalho, mas o resultado é incrível!

Pra visitar o Cristo é preciso contar com a sorte de um dia de sol e, graças a Deus, eu a tive. O dia estava maravilhoso! Pra chegar até lá há algumas formas: de van [ingressos comprados no Largo do Machado em Copacabana], de ônibus [há linhas do transporte público regular em alguns pontos da cidade que te levam até a entrada do Parque da Tijuca, onde fica a escultura], de carro [subida de umas ladeiras até o estacionamento] e de trem, a forma que escolhi. Para pegar o trem paguei R$ 25,00 (meia) por ser estudante, mas as inteiras custam R$ 50,00. Os ingressos podem ser comprados pela internet e retirados no local, ou comprados lá mesmo na entrada. Mais informações em Parque da Tijuca/Corcovado.
A subidinha de trem é bem legal e, em algumas falhas da mata, é possível ver uma paisagem de tirar o fôlego. Ao longo da subida há três paradas em estações, mas quando se para não dá pra ver nada, por que a vegetação é muito alta [assim, não entendi o por que das paradas!]
Flash rapidinho no caminho de subida no trem.
Lá de cima a vista é fantástica! Dá pra ver muitas partes do Rio e sentir uma enorme emoção de ver a grandeza e beleza da cidade.
Vista de cima do Cristo Redentor
Ah, que espetáculo de vista!
Bom, mas nem tudo são flores. Pra mim, um dos piores inconvenientes de lá é a super lotação. Quem já visitou o Cristo sabe que o espaço lá em cima é pequeno, pois estamos em cima de uma montanha. Com essa limitação e com o grande volume de pessoas que sobem a cada viagem, é impossível conseguir fotos legais, não se bater em alguém ou ter privacidade.
Olha só minha foto! Pra conseguir essa tirei umas 10... Ainda bem que as pessoas atrás de mim colaboraram e foram simpáticas sorrindo na foto =P 
Por favor, não entendam isso como uma reclamação, pois não é. Ainda não sou celebridade que posso pagar milhões pra fecharem o Cristo só pra mim, mas acredito ser importante fazer esse comentário, já que existem pessoas que não suportam lugares muito lotados.
Fiz questão de postar essa foto no blog só para quem lê o post e nunca foi ao Cristo tenha ideia do que estou dizendo. Essa foto é do mirante maior que fica bem em frente à escultura. Pense que tem gente! É muito comum as pessoas deitarem no chão pra tirar uma foto aceitável. Bem, eu não fiz isso, mas quem faz diz que a foto vale a pena.
Se você é uma dessas, dois conselhos: 1. não vá ao Cristo, mas sim ao Pão de Açúcar; este último também é lotado, mas como há mais espaço, as pessoas se espalham e aí só alegria. 2. Se for, leve com você a paciência, as palavras mágicas "com licença" e "desculpe", um enorme sorriso, disposição e o pensamento "não importo de sairão 300 mil pessoas em minhas fotos. Não sou exclusivo!".
Espero que tenham gostado. A série está chegando ao fim... mas em breve novo post.