29 de setembro de 2013

Inhotim, MG Mexe com os Sentidos!

Esta semana voltei a Minas Gerais para conhecer mais um pouquinho dos cantinhos mineiros, uai! Já confessei minha paixão pelo lugar e contei minhas vindas em post aqui no blog: meu Bem vindo Inverno! e Luxo black gold: Ouro Preto, MG. Esta vez fui conhecer um pedacinho do paraíso: Instituto Inhotim em Brumadinho, MG.
Entrada do instituto.
Tem que tirar foto na placa pra dizer que fui lá!
A ideia nasceu com o empresário Bernardo Paz na década de 80 e contou com a idealização original de jardins do super conceituado paisagista Roberto Burle Marx. Daí foi só sucesso! O Inhotim ganhou recebeu o registro de jardim botânico e atraí muitas pessoas para seu espaço. Quem vai ao lugar busca puro contato com a natureza e a aproximação com incríveis obras de arte contemporânea.
Obra Sem título de Edgar de Souza
O Inhotim conta com 23 obras de artistas conhecidos internacionalmente como Cildo Meireles, Tunga, Hélio Oiticica e Paul McCarthy. Em muitas delas você pode interagir e despertar incríveis sensações. A maioria das obras são distribuídas nas 20 galerias espalhadas pela fazenda e não podem ser fotografadas se estiverem dentro das galerias.
Um dos bancos feitos com troncos de árvore espalhados pela área do Inhotim
Algumas galerias são muito interessantes, como a do americano Doug Aitken, conhecida como Pavilhão Sônico, em português. A galeria é uma cúpula de vidro e abaixo dela foram escavados 202 metros e instalados microfones de alta sensibilidade que captam o som da terra. É uma sensação diferente, pois você ouve uns barulhos, como se coisas estivessem se chocando e com intensidade alta e baixa, ou seja, há um momento que o som é bem baixo e, em outros parece um trovão!
Galeria do "Som da Terra"
Outra galeria interessante é a de Cildo Meireles. Há 3 salas, mas duas são incríveis: uma tem uma instalação que reproduz o solo com vários cacos de vidro que você pode caminhar sobre eles e sentir o barulho do vidro ao andar; a outra é uma sala toda vermelha da obra "Desvio para o vermelho", algo a la Casa Cor: tudo no ambiente é vermelho e, na sala ao lado uma garrafa com um líquido vermelho que te leva a uma pia que derrama líquido vermelho pela torneira.
Obra de Cildo Meireles [Foto disponível no site do Inhotim]
Outras obras chamam muito atenção pela sua criatividade como a "Ôle ô Picolê" de Marepe, em que foi feito um painel com embalagens de picolé. Super criativo!
Obra de Marepe. [Foto disponível no site do Inhotim]
Além das obras em um acervo (aqui) bastante rico, Inhotim conta com um jardim botânico com uma variedade enorme de plantas medicinais, aromáticas e tóxicas, bem conhecidas da nossa cultura popular e nossa infância.
Jardim de plantas tóxicas.
Para chegar a Inhotim é necessário pegar um ônibus na rodoviária de Belo Horizonte da empresa (nesta vez R$ 33,00 ida e volta). Compra-se a passagem de ida e volta. No instituto paga-se um ingresso (nesta vez R$ 28,00 inteira) para acesso ao lugar. Há uma estrutura muito boa com lanchonetes e restaurantes, apesar que os preços não sejam tão baratos...
Meu look para Inhotim foi bem confortável, afinal lá se anda muito! Escolhi uma calça boyfriend que dobrei as pernas para fazer uma bermuda, uma camisa de renda, uma sandália rasteira e um turbante. O que chamou atenção foram meus pingentes de chave, os quais receberam elogios e foram fotografados por algumas pessoas que me encontravam pelo caminho.
Look para um dia relax em Inhotim.
Quer saber, vale muito a pena ir. É um lugar encantador, que vai mexer com seus sentidos, aguçar seu senso artístico crítico e fazer você viajar. Quer saber mais? Acesse os links indicados neste post e planeje sua viagem.